LHLN_Thumb
03.MAI.17 - 17:10

“Encontro Silencioso explora os rituais e o espírito de grupo”

Com argumento de Miguel Clara Vasconcelos e música do “The Legendary Tigerman”, “Encontro Silencioso” integra o concurso nacional no IndieLisboa. O filme centra-se no universo das praxes académicas.

Arranca hoje a 13.ª edição do IndieLisboa e em cartaz está a primeira longa metragem de Miguel Clara Vasconcelos. “Encontro Silencioso”, película que integra a competição nacional, é um filme que retrata o universo das praxes académicas.

A longa, que vai ser exibida dia 5 e dia 7 no Grande Auditório da Culturgest, conta a história de cinco estudantes que organizam um ritual místico. Em “Encontro Silencioso” a mitologia tradicional confunde-se com as tradições universitárias, enquanto as personagens procuram compreender a sua herança histórica e o nosso presente político.

O Canal Superior falou com o realizador Miguel Clara Vasconcelos, procurando os motivos e a inspiração para este filme:

Porquê “Encontro Silencioso”? 
O filme acontece ao longo de um encontro, que é mais ou menos secreto. No final percebe-se porque é silencioso. 

Qual o motivo da escolha do tema ter sido a praxe académica? 
A praxe académica é o ponto de partida do filme. Mas há outros temas em jogo.

“Encontro Silencioso” pretende ser um retrato local, no contexto da Universidade de Lisboa, ou nacional, deste ritual universitário? 
Mais do que um retrato, o filme explora os rituais e o espírito de grupo, não apenas universitários.

Qual o paralelismo entre a ficção do filme e a realidade? 
Há um acontecimento real que inspirou o filme. O acidente que vitimou vários estudantes universitários na praia do Meco. Mas não procurei recriar o sucedido nem criar paralelismos. O filme é uma ficção. Todas as situações são inventadas e as personagens desenvolvem as suas próprias razões para agir como agem.

Como se desenrolou o processo criativo que culminou nesta longa-metragem? 
Acompanhei as notícias que se sucederam aos trágicos acontecimentos de Dezembro de 2013. Para escrever o argumento do filme, afastei-me da matéria noticiada e fui ao encontro das minhas próprias questões.

Facebook Twitter