LHLN_Thumb
02.MAI.17 - 18:24

Os sons da História em exposição

A Casa do Design de Matosinhos, em colaboração com a ESAD, apresenta a primeira grande exposição dedicada à Orfeu, a mítica editora discográfica portuguesa, fundada em 1956 por Arnaldo Trindade.

Em exposição, a partir de 4 de maio, vão estar mais de 500 discos editados pela Orfeu, marca do Porto. Lá dentro, nomes grandes da literatura, como Miguel Torga, José Régio, Eugénio de Andrade ou Sophia de Mello Breyner, e da música portuguesa, como Adriano Correia de Oliveira, José Afonso, Sérgio Godinho ou José Cid. O destaque vai para as imagens dos sons, com as capas dos discos e um conjunto de materiais documentais inéditos.

A exposição chama-se “DISCOS ORFEU (1956-1983) — IMAGENS/PALAVRAS/SONS” e tem a curadoria de José Bártolo, diretor científico do esad—ideia, instituto da Escola Superior de Artes e Design de Matosinhos.

A Orfeu, que chegou a gravar um disco por semana, iniciou a sua atividade com a edição fonográfica em vinil, contemplando grandes vultos da literatura portuguesa, como Miguel Torga, José Régio, Eugénio de Andrade ou Sophia de Mello Breyner. As capas eram da autoria do pintor Moreira Azevedo, destacando-se pela sua modernidade. “A ORFEU cedo começou a afirmar uma identidade diferenciada ao nível do seu catálogo musical, inovador e diversificado justificando a divisa que durante muito tempo ostentou Disco é Cultura” argumentam os responsáveis pela exposição.

A exposição, co-organizada pela Câmara Municipal de Matosinhos, divide-se em cinco núcleos principais: No Início era o Verbo (1956-1959); Trovas do Vento que Passa (1960-1967);Vozes da Revolução (1968-1975); Entre Vénus e Marte (1976-1979); O Fim da Aventura (1980-1983).

A investigação foi coordenada por José Bártolo, em articulação com Arnaldo Trindade e Noly Trindade e a colaboração técnica de João Carlos Callixto, Carlos Paes, João Pedro Rocha e Heitor Vasconcelos, e “possibilitou reunir e apresentar as principais capas de discos da ORFEU e inúmero material documental (gráfico, fonográfico e vídeo), algum dele inédito”.

Facebook Twitter